Sobre a arquitetura, a cidade e o cinema

Creio que os filmes são um produto e uma parte do meio urbano, quase como a música, e os arquitetos que se interessam por urbanismo deveriam estar informados sobre o tipo de música que se escuta, da arte que se faz e dos filmes que se rodam.
— Wim Wenders

imagem de divulgação da mostra arq. futuro. FONTE: http://arqfuturo.com.br/frontend/home/post/2093

Nestas próximas semanas, a cidade do Rio de Janeiro está cinematográfica.  Além do Festival do Rio, que acontecerá entre os dias 06 e 16 de Outubro, começou ontem a mostra 'Arq.Futuro – A Cidade e o Cinema', que traz uma seleção de filmes sobre arquitetura e cidades.  A inauguração da mostra contou com a exibição do filme “A competição”, um documentário que acompanhou os escritórios de Jean Nouvel, Zaha Hadid, Dominique Perrault e Frank Gehry no desenvolvimento de uma proposta para o concurso de um museu em Andorra (trailer do filme abaixo).

A mostra, que segue até o dia 05 de Outubro, conta ainda com filmes clássicos sobre a arquitetura no cinema, como “Playtime”, de Jacques Tati, e documentários como o “The Human Scale”, que já foi assunto no blog no texto: A escala humana de Melbourne

Playtime, Jacques tati

A relação entre arquitetura e cinema

O arquiteto, à semelhança de um realizador de cinema, deve saber captar a luz, o movimento, produzindo por meio de seus projetos uma coreografia de ritmos, gestos, imagens, tomadas (planos) e fantasia. Saber realizar, enfim, a síntese entre o universo real e o virtual...
— Jean Nouvel

A arquitetura e o cinema se aproximam em muitos sentidos.  São formas de arte distintas, que se expressam através de mídias diferentes, porém utilizando recursos e processos semelhantes. A arquitetura articula o espaço através da situação, da escala e luminosidade, articula o tempo por meio do ritmo do percurso - o alentamento, as paradas, a reversão – todos efeitos de equivalente importância para a expressão cinemática.  Essencialmente, ambas as artes trabalham com imagens e com a sucessão das mesmas, o que as diferencia é que no cinema estas se dão em um plano bidimensional, dentro do qual o observador não pode penetrar.  No cinema, o espectador é um ‘voyeur’, enquanto na arquitetura é o próprio visitante quem determina o seu percurso.  O cinema lida com a visão e a percepção mental, enquanto a arquitetura age sobre o físico. Com isso, o cinema desfruta de uma maior liberdade criativa.  O cinema é capaz de criar ilusões, mundos fictícios enquanto a arquitetura se detém na realidade.

Realidades fictícias. Foto do filme “A origem”, dirigido por Christopher Nolan. https://archialternative.files.wordpress.com/2010/07/blog-inception-3.jpg

No cinema, assim como na literatura, o espectador pode assumir um papel ativo na criação deste mundo irreal.  O espectador assume o papel de arquiteto.  O cinema estabelece a moldura, e cabe ao espectador imaginar o que acontece para além dos limites da tela.  Incitada por fragmentos de cenas urbanas, a cidade emerge aqui como uma extensão psicológica, mapeada de forma intuitiva, afastando-se da chamada ‘realidade concreta’. 

A arquitetura, em sua essência, é o abrigo. Sua função primordial é oferecer um refúgio das intempéries, é elemento condicionante para a existência humana.  Ela absorve e, consequentemente, reflete a cultura local, tornando-se um objecto vital para o estudo de uma época. A arquitetura nada mais é do que a grande vencedora do esquecimento humano, pois nela estão impressas as nossas memórias, a nossa história.  Podemos dizer o mesmo para o cinema?  Não seriam os objetivos e propósitos de ambas as artes essencialmente os mesmos? 

Projetar é fazer cinema

Podemos considerar, de certo modo, que uma arte complementa a outra.  O cinema preenche as lacunas da arquitetura, e vice-versa.  Seria o cinema a mídia encontrada pela arquitetura para lançar vôos mais altos, obter a sua tão desejada liberdade criativa, cerceada pelas leis do mundo real?  Ou, por outro lado, seria a arquitetura o ponto em que os desejos do cinema deixam de ser um devaneio e tornam-se uma realidade concreta?  Estaria a compreensão de uma disciplina necessariamente atrelada a uma leitura da outra? Se projetar é adentrar, percorrer espaços, prever surpresas e observar diferentes ângulos, fazer cinema não seria a mesma coisa?

Não é à toa que arquitetos buscam inspirações no cinema e diretores de cinema na arquitetura.  A arquitetura e o cinema lidam com as mesmas questões e os mesmos recursos, porém em contextos e com propósitos diversos. Podemos considerar o cinema não como um espelho, mas sim como um prisma para a arquitetura - através dele não obtemos um reflexo, mas sim uma nova maneira de observar e pensar a arquitetura.

O cinema como um prisma através do qual adquirir uma nova percepção da arquitetura. Na foto, cena do filme Alice nas Cidades, de Wim Wenders. 
Fonte: http://wimwendersstiftung.de/media/ALICE05CWWS.jpg