Rio de Janeiro 2016 | Cidade Olímpica

As olimpíadas vieram ao Brasil em um momento conturbado, de crise política e econômica.  É difícil escrever sobre os jogos e sequer mencionar os problemas do planejamento e execução.  Não há como relevar as águas poluídas da baía e das lagoas, as remoções na vila olímpica, a queda da ciclovia ou o trânsito na cidade. Ainda há muito a ser melhorado mas, sem dúvidas, nestes últimos anos, as olimpíadas trouxeram profundas transformações para a cidade.

Para além das arenas esportivas, a cidade maravilhosa passou por obras estruturais, desde a reforma do sistema de transporte público (com a criação do BRT, do VLT e a extensão do metrô)  até a reestruturação de bairros inteiros, como a Zona Portuária.   

Parque Olímpico da Barra da Tijuca

Os jogos aconteceram em quatro regiões da cidade: Barra, Deodoro, Maracanã e Zona Sul.

vista aérea do parque olímpico. foto: gabriel heusi fonte: www.rio2016.com 

Projetado pela AECOM, a mesma empresa que projetou o Parque Olímpico de Londres 2012, o Parque Olímpico Rio 2016, localizado na Barra da Tijuca, agregava as principais arenas dos jogos.  O projeto aproveitou parte da infraestrutura dos jogos pan-americanos de 2007, como o Centro Aquático Maria Lenk, que recebeu as provas de mergulho, e a Arena do Rio, onde aconteceram as provas de ginástica. Das arenas construídas especialmente para o evento, algumas possuíam caráter temporário, como as quadras de tênis, e algumas foram concebidas para se adequar a um novo uso após os jogos. Esse é o caso da Arena do Futuro, onde aconteceram as partidas de handball.

arena do futuro, projeto de lopes, santos e ferreira gomes em parceria com andarchitects. fonte foto: http://architectureofthegames.net/

Um projeto do escritório Lopes, Santos & Ferreira Gomes em parceria com o escritório britânico AndArchitects, a Arena do Futuro será convertida em 4 escolas públicas, cada uma com capacidade para 500 alunos. Duas dessas escolas serão relocadas para outros lugares da cidade.

Parque Radical de Deodoro

O outro grande centro de jogos ficava em Deodoro, uma área militar na zona norte da cidade. O Parque Radical recebeu esportes como hipismo, tiro, rugby, mountain bike e ciclismo bmx.  Foi construído também um imenso reservatório para as provas de canoagem slalom, que no verão de 2015 foi invadido pela população do bairro e acabou por se tornar um verdadeiro piscinão local.

parque radical de deodoro. foto: Fernanda Rouvenat / G1 fonte: g1.globo.com

Maracanã e Zona Sul

Para além desses dois parques principais, os esportes se espalharam por outros pontos da cidade.  O tradicional estádio do Maracanã recebeu as partidas de futebol enquanto as provas de remo e canoagem aconteceram na Lagoa Rodrigo de Freitas, nas Zona Sul.  Já as areias de Copacabana serviram de palco para a maratona aquática e a arena do vôlei de praia.

remo na lagoa rodrigo de freitas. fonte foto: https://www.rio2016.com/locais-de-competicao/estadio-da-lagoa

Boulevard Olímpico e a Orla Conde

Originalmente, a vila de mídia seria na zona portuária do Rio de Janeiro.  Chegou a ser realizado um concurso público de arquitetura para o complexo mas, em 2014, optou-se por transferir a vila da mídia e dos árbitros para a zona oeste, para ficar mais próximo do Parque Olímpico.  A transferência foi largamente criticada na época. Temia-se que, com essa mudança, a zona portuária ficasse esquecida entre as demais obras olímpicas.  Não foi bem isso que aconteceu – a zona portuária ainda passou por transformações e se tornou um dos principais cartões postais das olimpíadas.

praça mauá e museu do amanhã vistos do terraço do museu de arte do rio (MAR)

Inspirada pela história de cidades como Barcelona ou Buenos Aires, esperava-se que a recuperação da zona portuária contribuísse para a revitalização do Centro, uma localidade essencialmente comercial e empresarial. As diretrizes para o crescimento da zona portuária foram estabelecidas pela lei complementar 101/2009, que institui a operação urbana consorciada da região do porto e determina a construção de habitação social como um dos seus principais objetivos.  Apesar disso, poucas habitações foram construídas até agora.  Por enquanto, a maior parte dos empreendimentos que se instalaram por lá foram comerciais, corporativos, culturais e hoteleiros, em decorrência das leis 108/2010 e 5230/2010, que incentivavam a construção de hotéis para a copa e as olimpíadas através de incentivos fiscais.

Os espaços públicos e viários sofreram uma notável diferença, passando pela demolição da perimetral, a construção da via binário, a implantação do VLT, a revitalização da praça mauá e criação de novos museus como o MAR e o museu do amanhã.  A demolição da perimetral até já foi assunto no blog pelo artigo: ruinas urbanas, a perimetral do Rio de Janeiro

PAINEL 'ETNIAS' DO KOBRA

Com a demolição da perimetral, espaços como a Praça XV e a Praça Mauá recuperaram a visão sobre a Baía de Guanabara. As duas praças foram interligadas pela recém inaugurada Orla Conde, que durante as olimpíadas recebeu uma série de atrações, entre elas a Pira Olímpica. No final deste boulevard, próximo aos armazéns, encontramos o painel ‘Etnias’, do artista Kobra, a maior obra de grafitti do mundo, medindo aproximadamente 3 mil metros.  Outras intervenções artísticas também surgiram pela cidade durante este período, como o projeto ‘Inside Out’, do Francês JR.

intervenção do artista francês JR na praia do Pepê

Casas dos países

Durante esse período olímpico, a cidade foi tomada por delegações de diversos países.  As casas dos países, que se instalaram em pontos distintos da cidade, trouxeram a possibilidade de conhecer um pouco mais sobre outras culturas sem precisar viajar, através da gastronomia, palestras, shows e exposições.  Algumas dessas casas cobravam entrada (como a casa França e Holanda), algumas exigiam reserva (como a British House ou a casa do Qatar), outras eram exclusivas aos atletas (casa Italia e China) e outras eram abertas e gratuitas (como a casa da Suíça, da Republica Tcheca e a casa da África). Muitas delas continuam durante as paralimpíadas então ainda dá tempo de conferir.

Legado Olímpico

As olimpíadas não trouxeram a solução para todos os problemas do Rio mas certamente proporcionaram um momento único na sua história. Com o encerramento das paralimpíadas no próximo domingo (18) surge um novo desafio. O desafio de sustentar o legado olímpico, a conservação destes espaços e integrá-los à rotina da cidade. Como garantir o seu uso e relevância após os jogos. O grande legado dos jogos será aproveitar as lições aprendidas dos êxitos e erros cometidos para o desenvolvimento futuro da cidade.